Os princípios pelos quais nos regemos #1


Durante a semana passada, um dos nossos designers fez-me chegar um par de artigos sobre Design e User Experience escritos por Manuel Lima, um dos nomes portugueses mais bem-sucedidos na área. Os artigos falam do redesign do site codeacademy.com, um site onde se aprende a programar "de maneira interativa e gratuita". Não é sobre esse redesign nem sobre esses artigos que vos quero falar, mas antes sobre algo mencionado nos artigos: os princípios pelos quais nós, UX Designers e pessoas preocupadas com a usabilidade, nos regemos quando fazemos o nosso trabalho.

A maioria destes princípios prende-se com aspectos da nossa psicologia e cultura. Nos referidos artigos de Manuel Lima são mencionados vários princípios, que vos quero apresentar ao longo de uma série de posts que começa com este. Neste post vou falar-vos da lei de Hick, ou de Hick–Hyman.


Segundo esta lei, o tempo que demoramos a tomar uma decisão é tanto maior quanto maior for o número de opções disponíveis. A relação entre número de opções e tempo de decisão é logarítmica. Isto significa que, a partir de um certo número de opções, a escolha deixa de ser continuamente mais complicada e o tempo de reação estabiliza. Isto significa que, depois de um certo número de opções, a escolha não pode ficar mais complicada porque as opções começam a ser agrupadas em categorias.

Quando trazemos esta lei para o mundo da usabilidade e User Experience, aprendemos, por exemplo, que uma pessoa demora mais tempo a escolher uma opção num menu de 10 opções, do que a escolher uma opção em 2 menus de 5 opções. Aliás, a principal utilidade desta lei no contexto do design para a Web está precisamente na orientação que fornece em relação ao número de items que um menu ou uma lista devem ter. Ela diz-nos também que as páginas - e especialmente os links e botões que elas contêm - devem ser focadas e devidamente organizadas, de forma a agruparem informação de forma a que o utilizador não sinta que tem demasiadas opções.

O psicólogo Barry Shwartz fala deste tema numa interessante TED Talk:

Maura Bouça, UX Designer

Comment