Estamos de volta com mais um artigo da série sobre princípios que guiam o trabalho de um designer de UX e de um web designer. Esta semana falamos de uma das Regras de Ouro do Design de Interfaces enunciadas por Ben Schneiderman - Prevenção de Erros.

Este princípio diz que os sistemas devem ser concebidos para serem tão simples quanto possível, de tal modo que a possibilidade de errar é erradicada ou, pelo menos, controlada. Quando erros inevitáveis acontecem, é importante dar informação suficiente aos utilizadores de forma a que eles consigam detectar e corrigir esses erros sem dificuldades, de forma simples e intuitiva.

Foi o princípio da prevenção de erros que nos trouxe funcionalidades como a pesquisa com autocomplete ou os chamados ‘date pickers’, em formulários, que nos permitem escolher datas diretamente num calendário, sem inserirmos texto. Este é também o princípio que suporta a existência daquelas mensagens de erro chatas que odiamos ver, que incluem, se bem se lembram “o ecrã azul da morte”.

Este princípio de design também é uma importante métrica da qualidade de um design. Durante uma utilização normal de um dado sistema (um site, app, etc.), se um utilizador comete muitos erros antes de conseguir cumprir a sua tarefa, então a interface não está suficientemente bem montada. Por outro lado, se o utilizador não comete muitos erros mas não consegue diagnosticar um erro quando ele acontece, qualquer coisa está errada - não existe feedback suficiente e, por isso, o sistema não permite o diagnóstico e recuperação de erros de forma suficientemente clara e intuitiva.

Maura Bouça, UX Designer

Comment