Há uns dias, o Facebook anunciou a abertura do Messenger para bots. Os bots são robots controlados por marcas que vão passar a conversar diretamente com os consumidores dentro do Messenger. A sua inteligência artificial permite-lhes entender o interlocutor e estabelecer um diálogo sem necessidade de intervenção humana. A ideia é simplificar o trabalho de todos e pôr os bots a dar resposta a temas simples, como a entrega de conteúdo ou alertas personalizados. 

A CNN é uma das primeiras marcas a ter um bot no ar. Quem inicia uma conversa com ele pode solicitar as manchetes do dia ou uma notícia sobre um tema específico, como os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. As respostas do bot são os links das notícias procuradas no site da CNN.

A MOBILE TIME realizou um teste com o bot de uma marca de roupa americana (Spring). Quando foi feito o pedido “go shopping”, o bot tentou apurar as preferências do interlocutor e apresentou as opções disponíveis no catálogo da marca. De seguida, questionou-se o bot sobre o material de que eram feitas umas bermudas. O bot pediu para esperar um tempo e regressou um minuto depois com a resposta: 100% poliester. A demora na resposta suscitou a curiosidade de quem estava do outro lado, que perguntou se a resposta tinha sido dada por um robot ou por um humano. “Por um humano. Mas o robot trouxe-o até aqui”, respondeu alguém do outro lado. Ah, afinal os bots ainda precisam de supervisão humana. 

Os chatbots (robots em apps de comunicação instantânea) são uma tendência em crescimento, mas há ainda muito a evoluir e aprender em matéria de inteligência artificial para garantir uma comunicação fluida entre bots e consumidores. É preciso, por exemplo, melhorar a compreensão de conversas naturais na web, incluindo abreviações, gírias e até mesmo emojis.

Querem saber mais? Assistam ao video Facebook F8 Developers Conference.

Raquel Rio Tinto, Marketing Manager

Comment