Num ano marcado negativamente por vários acontecimentos no mundo político, social e das artes, 2016 até foi bastante profícuo para a ciência, particularmente para os campos da astrofísica e da astronomia. Ao longo do passado ano de 2016, registaram-se vários avanços ao nível teórico bem como tecnológico.

Podemos começar por destacar a confirmação da existência de ondas gravitacionais pela organização LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory). Um dos principais elementos da Teoria da Relatividade Geral de Einstein publicada em 1915 é assim confirmada através da observação de dois grandes buracos negros a colidirem e a unirem-se num só. Embora se acredite há muito na existência de tal fenómeno dentro da comunidade científica, esta foi a primeira deteção visual de tais ondas e marca assim uma nova era da astrofisica. Se quiserem saber mais sobre ondas gravitacionais, o The Verge explica.

Um outro marco tecnológico prende-se à reutilização de foguetes espaciais. A organização Blue Origin foi a primeira a consegui-lo, tendo lançado pela segunda vez em Janeiro o seu foguete principal New Shepard já anteriormente utilizado em finais de 2015. A organização de Elon Musk, SpaceX, foi a que se seguiu. Após terem conseguido aterrar com sucesso o foguete Falcon 9 em terra firme, a organização subiu a parada e alcançou um novo marco, aterrar o seu foguete numa plataforma em pleno oceano. E mais que uma vez. Tendo com estes feitos ganho o prémio The 2016 Space Achievement Award.

Por último destacamos o descobrimento de Proxima b, um planeta com características idênticas à Terra numa estrela a apenas um saltinho daqui — 4 anos luz. Este planeta tem uma dimensão similar à terra, encontra-se na zona habitável da sua estrela (o que significa que pode existir água à superfície) e possui 1.3x mais massa do que o nosso planeta. Tudo isto faz com que Proxima b seja o planeta mais parecido com a terra, alguma vez encontrado.

No seguimento desta descoberta, e por forma a encurtar mais a distância entre a Terra e Proxima b, foi apresentado o projecto Breakthrough Starshot Initiative. Defendido por Stephen Hawking e financiado pelo empresário russo Yuri Milner, este projecto consiste em enviar pequenas naves para fotografarem Proxima b e transmitirem de volta as imagens, tudo isto num espaço temporal idêntico ao tempo médio de vida de um ser humano. Para tal, estas naves iriam deslocar-se a 20% da velocidade da luz.

Outros marcos importantes da astrofísica no ano de 2016 passaram também pela reconciliação do robot Philae com a sonda Rosetta, o primeiro habitat insuflável criado pela NASA, o regresso à Terra, após 1 ano no espaço, do astronauta Scott Kelly, o plano de colonização de Marte pela Space X, e ainda a possível descoberta de um nono planeta!

Nuno Silva, Video & Photography Producer

Comment