Ainda me lembro da primeira vez que vi este vídeo. Não me lembro exatamente do ano, mas terá sido em 2015 ou 2016, em casa da Sílvia e do Pedro. A certa altura, resolvemos partilhar vídeos do YouTube (“já viram aquele do cavalo a correr com o cão?”) e, aparentemente, eu era dos poucos que ainda não tinha visto o do Star Wars Kid.

Como é que eu ainda não tinha visto um dos primeiros virais de sempre? Há dias, lembrei-me e fui revê-lo. E sim, tal como da primeira vez, ri-me com este gorduchinho desajeitado e entusiasmado a fazer… bom, não sei muito bem como caracterizar isto. No entanto, como bom investigador do inútil que sou, resolvi explorar a história, conhecer este personagem e saber o que é feito dele.

O gorduchinho em questão chama-se Ghyslain Raza e, em 2002 (altura em que o vídeo foi gravado), tinha 15 anos e vivia em Trois-Rivières, no Québec. Para ser mais exato, o vídeo foi gravado a 3 de novembro de 2002 pelo próprio, num estúdio da escola secundária onde estudava. Um colega descobriu a cassete e distribuiu pela escola, um outro colega digitalizou o vídeo, que por sua vez andou a circular pelos meandros da internet até ser carregado no YouTube a 15 de janeiro de 2006.

A partir daqui, o fenómeno cresceu. Um grupo de fãs resolveu organizar uma petição para que o Star Wars Kid entrasse no Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith (2005), que chegou a ter mais de 140 mil assinaturas.

Menos numerosos (perto de 400) foram os donativos de apoio ao Ghyslain, após ter sido alvo de cyberbullying. Muitos dos comentários ao vídeo foram mal intencionados, acusando-o (entre outras coisas) de ser um “vírus para a humanidade”, que deveria morrer. Em 2003, optou por sair da escola.

Nesse ano, os seus familiares moveram uma ação judicial contra as famílias de 4 colegas. A ação indicava que Ghyslain “teve e ainda tem de suportar o escárnio dos colegas da escola e do público em geral” e que irá estar “sob vigilância psiquiátrica por um período indeterminado”.

“Every single talk show in North America wanted me as a guest. I still have Jay Leno’s invitation. A Japanese show offered me a lot of money. But why were they inviting me? They wanted to turn me into a circus act.”

Estas declarações foram feitas a um órgão de comunicação canadiano em 2013, após 10 anos sem querer qualquer associação com o vídeo. Aos jovens que possam estar a enfrentar o cyberbullying, Ghyslain quer agora mostrar que é possível resistir e sobreviver, mesmo que a história nos relembre como Star Wars Kid.

Celso Moura, Copywriter

Comment