É isso mesmo, Lisboa tornou-se a capital europeia da inovação e empreendedorismo, um título não oficial, mas reconhecido pela comunidade tecnológica e o ecossistema digital dos nossos dias.

Uma variedade de factores, onde podemos destacar a importante crise financeira global de 2008, que afetou em grande parte a economia dos países sul europeus, levou a que o país entrasse numa espiral negativa a todos os níveis. Foi nesse momento, de profunda dificuldade dos mercados, que levou cerca de 500,000 pessoas a abandonarem o país. Entre elas a nossa classe jovem mais qualificada de sempre, tendo a percentagem de desemprego subido para uns incríveis 17%, até ao ano de 2012. Desde então este número tem diminuído, — agora situa-se nos 12% —, e cerca de 60% das pessoas já regressou ao país.

É aqui que Lisboa (e Portugal!) consegue brilhar, sabendo olhar para as suas valências e aquilo que torna a única. A capital portuguesa combina sol, praia, história e cultura, o baixo custo de nível de vida e a uma vontade imensa de aprender e inovar. Todos estes factores foram determinantes para o desenvolvimento de novas empresas e novos negócios. Antes de Lisboa se tornar no centro das atenções, o Porto e Coimbra já tinham criado empresas que faziam burburinho lá fora, como a Farfetch ou a AddVolt.

Deixo-vos aqui uma pequena lista das startups que lideraram a revolução e ajudaram a criar a nova Lisboa:

· Uniplaces
· Codacy
· Tradiio
· Nmusic
· Muzzley
· Talkdesk
· Crowdprocess

Podemos também acompanhar o crescimento da nossa comunidade lisboeta de inovadores através do projecto Made of Lisboa, que agrega pessoas, empresas e pontos de interesse por toda a cidade!

Nuno Silva, Motion Designer

Comment