Estima-se que poderíamos ler cerca de 200 livros por ano, não fosse o tempo que passamos ligados às redes sociais. Isto não é #fakenews. De acordo com o Global Web Index, o tempo médio gasto diariamente nas redes sociais ultrapassou as duas horas diárias em 2017.

Mas será que não existe um meio-termo? Uma forma de unir o nosso amor pelo scroll infinito com a paixão pela leitura? Claro que sim.

Algumas iniciativas demonstram que as redes sociais podem servir de inspiração e companhia para quem realmente quer começar a ler mais. Só há uma condição: está tudo em inglês. Daquilo que é gratuito, vale a pena espreitar:

  • As redes sociais do projeto Belletrist, um social book club criado há poucos meses e bastante comentado no último Pinterest Workshop realizado nos headquarters do Pinterest, em São Francisco. Aqui vais encontrar sugestões diárias com tags dos autores, “lives” regulares com entrevistas a autores diversos, listas, quotes e sugestões dos seguidores, tudo da forma mais gráfica e trendy, digna de Instagram e Pinterest.

  • A comunidade EpicReads tem conteúdos de todos os tipos, focando-se mais em cultura geek no Facebook, fotografia de lifestyle no Instagram e muitas dicas no Twitter. É a maior comunidade global online de jovens fãs de livros. Para além do site, porque sites sobre livros há muitos, a EpicReads investe bastante tempo e recursos nas suas redes sociais.

  • Apesar de ser um clube pago, não pagas para seguir as redes sociais do Book Of The Month. É o sítio ideal para conhecer “emerging authors” e descobrir quais os livros que as celebridades andam a ler. 

Apesar de lermos sozinhos, somos bastante sociais na hora de procurar, comentar e criticar livros. Não faltam páginas e comunidades que tentam aproveitar a influência das redes sociais para promover a arte literária - apesar de faltarem mais iniciativas destas na CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa).

Heloisa Moraes, Social Media Manager

Comment