Autores, copywriters, content marketers, influencers, todos eles conhecem bem a pressão de partilhar conteúdos e a loucura das redes sociais só veio amplificar esta necessidade. Provavelmente, a primeira coisa que ensinam a bloggers é a publicar muito, para criar mancha e angariar seguidores. Mesmo no Twitter, uns poucos tweets por dia parecem pouco. Mas será que esta ânsia vale mesmo a pena?

Vamos deixar uma coisa clara: escrever é bom, escrever muito ainda é melhor, é mentalmente gratificante e melhora a nossa criatividade, destreza editorial e mil etcs. Mas não quer isto dizer que tenhamos de impingir TUDO aquilo que escrevemos aos nossos leitores e amigos. O problema? Conteúdos em todo o lado, a toda a hora, e frustração, muito dela. Que atire a primeira pedra quem nunca olhou para um conteúdo e disse “Para que é que isto me interessa?”. Parece que hoje é disto que a Internet é feita. 

Para ajudar a resistir a esta pressão e tentar tornar os nossos conteúdos mais impactantes, queria recuperar algo que Platão disse há mais de 2500 anos, bem antes do nascer do Facebook ou Instagram: 

“Wise writers write because they have something to say; fools because they have to say something.”

E quem é que quer ser um fool? Para sermos sinceros connosco próprios podemos fazer um pequeno exercício e responder às seguintes questões da próxima vez que estivermos a olhar para um rascunho:

• Vou dizer algo novo, perspicaz ou negligenciado?

• Escrevi este artigo para ajudar, entreter alguém ou incitar à ação? Ou escrevi para mostrar o quão bom sou?

• Este conteúdo tem potencial para se sobrepor ao ruído de todos os outros conteúdos?

Se não disseste pelo menos dois "sins", bem, já sabes o que eu vou dizer. Não é só por mim, o próprio Facebook está a levar a cabo um processo de “limpeza” de conteúdos vazios, prejudicando o alcance dos mesmos — falo daqueles click baits ou “marca aí um amigo”.

Claro que haverá quem defenda que isto resulta na teoria ou que é útil só para notícias, mas como é que tu, content marketer, podes seguir este mandamento se precisas de vender produtos e serviços? Eu acredito que esta é uma ideia que também faz ganhar o content marketing. O melhor copy será sempre aquele que passa uma mensagem que realmente diga algo — que toca em temas que os users querem saber e eventualmente procuram nos motores de pesquisa (seo alert). 

Por exemplo, valeu a pena ter partilhado isto?
Talvez tenha ensinado algo de novo, ou pelo menos quero acreditar que estou a partilhar algo definitivamente útil para ajudar alguém (nem que seja pelo fator de reminder).

Em 2018, tentaremos tornar a internet um local um bocadinho melhor para navegar?

Carolina Ferreira, Social Media Manager

Comment